Envelhecer não é horrível; o preconceito é. 

“Você é velho. Portanto, você é inútil. Você é um fardo para todos nós. Você está decaindo. Você está desatualizado. Você é dispensável. Você não tem sexo. Você é tão fofo.”

Essas mensagens comuns sobre a velhice são insidiosas e penetrantes em nossa cultura. Elas são discriminatórias e prejudiciais. Elas desvalorizam e colocam ao lado uma grande parcela de nós que atingiu uma certa idade. Com base no que? O número de anos que vivemos.

É horrível estar velho? Não é horrível. É uma coisa boa –  uma coisa muito boa. Significa que você viveu muito tempo, tem muita experiência e tem muito a contribuir. Por que as pessoas insistem em que você seja jovem, pareça jovem, aja como jovem? Por que você ainda escuta pessoas mais velhas se gabando de como se sentem “jovens”?

O número de brasileiros com 60 anos ou mais está crescendo, mas a sociedade ainda não está abraçando o envelhecimento da população, dizem os geropsicólogos. Seja lutando contra os estereótipos do “velhote” ou tentando obter uma posição igualitária no local de trabalho, os que têm 60 anos ou mais podem frequentemente se tornar vítimas do preconceito etário.

Na verdade, em uma pesquisa com 84 pessoas com 60 anos ou mais, quase 80 por cento dos entrevistados relataram terem sofrido preconceito de idade – como outras pessoas presumindo que tinham problemas de memória ou físicos devido à idade. A pesquisa de 2001 feita por Erdman Palmore, PhD da Duke University, também revelou que o tipo mais frequente de preconceito relacionado à idade – relatado por 58% dos entrevistados – era ouvir uma piada que zombava de pessoas mais velhas. Trinta e um por cento relataram ter sido ignorados ou não levados a sério devido à idade. O estudo foi publicado no The Gerontologist (Vol. 41, Nº. 5).

E o pior, o preconceito de idade também se infiltra na saúde mental. Pacientes mais velhos são frequentemente vistos pelos profissionais de saúde e seus familiares como obstinados e incapazes de mudar seu comportamento, dizem os especialistas em envelhecimento.

Os efeitos do envelhecimento

Os estereótipos negativos não são apenas prejudiciais para os idosos, mas podem até encurtar suas vidas, afirma a psicóloga Becca Levy, PhD, professora assistente de saúde pública na Universidade de Yale. No estudo longitudinal de Levy com 660 pessoas com 50 anos ou mais, aqueles com autopercepções mais positivas do envelhecimento viveram 7,5 anos a mais do que aqueles com autopercepções negativas do envelhecimento. O estudo foi publicado no Journal of Personality and Social Psychology (Vol. 83, No. 2).

Por outro lado, as crenças e atitudes positivas das pessoas em relação aos idosos parecem melhorar sua saúde mental. Levy descobriu que adultos mais velhos expostos a estereótipos positivos têm memória e equilíbrio significativamente melhores, enquanto as autopercepções negativas contribuíram para piorar a memória e os sentimentos de inutilidade.

Como o Ageísmo afeta mais do que apenas os adultos mais velhos?

Ageísmo é um tipo de discriminação que envolve preconceito contra as pessoas com base na idade. Semelhante ao racismo e ao sexismo, o preconceito etário envolve a manutenção de estereótipos negativos sobre pessoas de diferentes idades.

O termo ageísmo foi usado pela primeira vez pelo gerontologista Robert N. Butler para descrever a discriminação de adultos mais velhos. Hoje, o termo é frequentemente aplicado a qualquer tipo de discriminação por idade, seja ela preconceito contra crianças, adolescentes, adultos ou idosos.

Manifestações de preconceito de idade são frequentemente citadas em situações de trabalho, onde podem levar a disparidades salariais ou dificuldade de encontrar emprego.

Os adultos mais jovens podem ter dificuldade em encontrar empregos e receber salários mais baixos devido à sua falta de experiência, enquanto os adultos mais velhos podem ter problemas para conseguir promoções, encontrar um novo trabalho e mudar de carreira.

Quão comum é o preconceito de idade?

Os pesquisadores também descobriram que o preconceito de idade é surpreendentemente comum. Em um estudo publicado na edição de 2013 do The Gerontologist, os pesquisadores observaram como as pessoas mais velhas eram representadas nos grupos do Facebook. Eles encontraram 84 grupos dedicados ao tópico de adultos mais velhos, mas a maioria desses grupos foi criada por pessoas na casa dos 20 anos. Quase 75 por cento dos grupos existiam para criticar os idosos e quase 40 por cento defendiam a proibição de atividades como dirigir e fazer compras.

Esperança para o futuro

A American Psychological Association sugere que o preconceito de idade é uma questão séria que deve ser tratada da mesma forma que a discriminação baseada em sexo, raça e deficiência. Eles sugerem que aumentar a consciência pública sobre os problemas que o preconceito de idade cria pode ajudar. À medida que a população de idosos continua a aumentar, encontrar maneiras de minimizar o preconceito de idade se torna cada vez mais importante.

Superando o Ageísmo

Não há razão para sofrer discriminação à medida que você envelhece. Com algum esforço, você pode superar o preconceito de idade. As sugestões a seguir podem ajudar.

1. Fale mais alto. Não se deixe levar porque você é mais velho. Em reuniões de família onde há pessoas de todas as idades, você pode ficar tentado a sentar-se à margem e assistir, mas tente participar.

2. Envolva-se no mundo. Pessoas que permanecem ativas – mental e fisicamente – podem superar o preconceito de idade com mais facilidade, diz o Dr. Hinrichsen. Acompanhe as novidades. Viva no presente e olhe para o futuro. Mostre a seus filhos e netos que você está ciente do que está acontecendo ao seu redor. Use e-mail e mídia social se você se sentir confortável – isso pode mostrar aos seus netos que você pode se comunicar como eles.

3. Seja positivo. A atitude tem muito a ver com a maneira como as pessoas podem superar o preconceito de idade, diz Hinrichsen. Aprecie a experiência e a sabedoria que vêm com a idade e faça bom uso delas. 

4. Seja o mais independente possível. “Há um conceito de desamparo aprendido”, diz Chun. “Se você presumir que, por ter uma certa idade, não é capaz de fazer certas coisas , não será capaz de fazê-las. Você não perderá essas habilidades se continuar a fazer por si mesmo o que puder. ” Vá fazer compras. Faça seu próprio banco. Coma fora em restaurantes.

5. Cerque-se de pessoas mais jovens. Fazer aulas na academia ou na faculdade comunitária com pessoas mais jovens ajudará a combater o preconceito etário, diz Chun. “Há também aquela energia que vem de estar com pessoas mais jovens para motivá-lo a se esforçar”, acrescenta ela.

6. Exercício. Pratique atividades físicas. Cuide do seu corpo. 

7. Cuide do seu cérebro. A idade não é desculpa para deixar de aprender coisas novas. Estimule seu cérebro, ele é capaz de aprender todos os dias. Faça atividades que mantenham seu cérebro mais ativo.

Mariana Duarte – Coordenação Pedagógica – 29 de Janeiro de 2021

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *